Eleições: como lidar com opiniões diferentes?

eleiçõesEmbora hoje possa ser decidido o presidente ou levar essa decisão para o segundo turno, é quase impossível ficar de fora de alguma discussão política – seja ela positiva ou negativa- quando essas eleições polarizaram tanto e dividiu opiniões em todo o país.

Tópicos como saúde, economia, educação já figuraram com destaque nas promessas eleitorais de todos os partidos.

Mas enquanto estas questões sensíveis podem desencadear debates saudáveis ​​e discussões construtivas no local de trabalho, em grupos de família, redes sociais e em círculos de amizade, elas também têm o potencial de desencadear pontos de vista extremos que podem causar ofensa, deixar as emoções em alta e criar divisão.

Então, como você pode se preparar e lidar com conflitos políticos depois dos resultados ou caso haja segundo turno das eleições para garantir que isso não comprometa a produtividade e a harmonia no ambiente de trabalho, família ou redes sociais?

Uma das fontes de ansiedade mais comumente relatadas é a imprevisibilidade e, com um panorama de candidatos tão polarizado, há um grau significativo de imprevisibilidade e muitas incógnitas.

Preocupação ou ansiedade sobre um resultado assustador é muitas vezes saudável – ou adaptativo. O comportamento adaptativo nos ajuda a entrar em acordo e a funcionar no mundo. A mente frequentemente tenta identificar ameaças e planejar para elas, ou considera perdas ou erros do passado e considera o que poderia ter feito de forma diferente.

Essa tendência geralmente nos ajuda. Na melhor das hipóteses, a discussão positiva ajuda as pessoas a usarem a experiência passada para resolver problemas ou planejar o futuro. Mas também é possível que ele fique preso em um ciclo de preocupação sem fim.

Se você está preocupado com algo que está além do seu controle, concentre-se em como é improvável que o pior cenário possa acontecer.

As pessoas se concentram no pior e mais catastrófico resultado possível. E a mente deles começa a girar em torno disso. Então pare um minuto e comece a se perguntar: Qual é o intervalo de resultados possíveis aqui e qual é a probabilidade deles? Quais são as coisas específicas que me preocupam que possam acontecer e quais são as probabilidades?

O que fazer para evitar confusões com o resultado das eleições?

  1. Não se esconda.

eleiçõesSe você bloqueou alguém no Facebook por ter certa opinião política, ou sua última conversa com um parente envolveu brigas, é tentador fingir que isso nunca aconteceu e simplesmente ignorar essa pessoa pelo resto de sua vida.

Você pode pensar que está no caminho certo, mas se tornar descomprometido é tão prejudicial quanto chegar a alguém com raiva, porque, quando você se esconde, você parou de tentar existir em comunhão com outras pessoas.

Outras pessoas podem ser frustrantes, complexas, difíceis e desagradáveis, especialmente em sua teimosa insistência em algumas vezes não compartilharem suas crenças exatas sobre tudo.

Mas você poder ter conversas civis e não combativas com pessoas com as quais você discorda – particularmente quando o seu grande desacordo é sobre uma eleição que já foi decidida – é, de certa forma, um teste decisivo para ser um cidadão.

 

  1. Perdoe as pessoas com opiniões diferentes.

No calor de uma eleição feia, todo pessoa com pensamento diferente parece ser uma pessoa descartável do seu ciclo de amizades. Quando você tem recebido muitas mensagens sobre “o que é realmente o certo a fazer”, pode ser tentador terminar relacionamentos.

Mas durante esses tempos irracionais, é importante distinguir quais pessoas estão apenas tentando melhorar o país através de opiniões diferentes ou pessoas que realmente não tem nenhuma ligação com você e só querem te agredir.

Esta eleição foi dividida e não porque todos no país são ignorantes. Acredite. Pessoas podem procurar diversas maneiras para resolver problemas.

As pessoas são apaixonadas. E isso pode transformar até mesmo a pessoa mais bem-intencionada em uma pessoa que você possa julgar errada.

 

  1. Tenha empatia.

Há uma pesquisa psicológica maravilhosa que mostra que julgamos os outros com base em seus comportamentos, mas nos julgamos com base em nossas intenções.

eleiçõesDizemos coisas como: “Eu não liguei para a minha mãe, mas eu queria, e eu realmente me importo com ela, então eu ainda sou uma boa filha.” Mas se fosse outra pessoa, nós não vemos além do comportamento. “Eles não ligaram para a mãe? Que monstros!”

Mesmo que você não tenha estado em uma única discussão política neste ano, ou tenha bloqueado alguém nas mídias sociais porque elas não paravam de falar sobre o caos que será 2019 caso a pessoa errada seja eleita, você ainda será influenciado por esse viés muito humano.

Quando outras pessoas têm crenças políticas com as quais não concordamos, nós as julgamos silenciosamente. Ou seja, julgamos que, ao escolherem um candidato, eles estão obviamente fazendo o que sempre faz e compartilham de todas as opiniões do candidato.

Mas nossas razões para votar em um determinado candidato são coloridas por uma rica tapeçaria de esperanças e boas intenções. Nós nos preocupamos com as crianças! Sobre salvar o planeta! Nós temos muitos sentimentos complexos.

Empatia é difícil. Não é o mesmo que concordar. Mas envolve considerar as intenções de uma pessoa e não apenas suas ações. Vamos tentar isso este mês.

 

  1. Atenha-se aos seus valores fundamentais e valorize as coisas que você ama.

Se você estiver com raiva, triste, frustrado e sem foco, canalize essa energia para algo produtivo e concentre-se nas coisas que são importantes para você, como sua família, suas férias, seus grupos sociais e seu sistema de apoio emocional.

Continue a trabalhar em prol da mudança, trabalhando nas comunidades, alcançando os necessitados, divulgando informações sobre causas pelas quais você é apaixonado.

 

  1. Aja como modelo para seus filhos, alunos, vizinhos e amigos.

Essas emoções causadas durante esse processo eleitoral parecem muito afloradas hoje e isso faz parte do processo de recuperação saudável.

No entanto, faça o seu melhor para ter em mente que os outros estão assistindo e aprendendo a partir dos seus exemplos, como os seus filhos, e você acabará se sentindo melhor com interações positivas com outras pessoas.

Este não é o momento para arranjar uma briga na rede social, em conversas com familiares ou xingamentos na rua. Essas atividades são improdutivas e farão você se sentir pior em longo prazo.

 

Este momento de eleições é um período delicado, mas lembre-se: ter opiniões diferentes é o que faz um país tão diverso. Acredite que você está tentando fazer o melhor para o país, mas outras pessoas também estão, mesmo que não seja da forma que você julga ideal.

Você também pode gostar de:

álcool
sarampo
paz interior